De acordo com pesquisa anual do jornal The Economist, Viena é a melhor cidade do mundo para morar. A capital da Áustria finalmente desbancou Melbourne, na Austrália, que esteve no topo desse pódio do periódico britânico por sete anos consecutivos e agora ocupa o segundo lugar da lista. A pesquisa leva em consideração questões como saúde, educação, infraestrutura e economia.

Fatores que impulsionaram a vitória da cidade europeia foram a baixa probabilidade de ser alvo de ataques terroristas e criminalidade praticamente zero.

No continente americano, o destaque entre as primeiras foi o Canadá, com várias cidades figurando: o terceiro lugar ficou com Osaka, no Japão, e na sequência vieram Calgary (Canadá), Sydney (Austrália), Vancouver (Canadá), Toronto (Canadá), Tóquio (Japão), Copenhague (Dinamarca) e Adelaide (Austrália).

A pesquisa anual, que considera 30 fatores relacionados à segurança, saúde, recursos educacionais, infraestrutura e meio ambiente, constata que seis das dez principais cidades classificadas estão na Austrália e no Canadá, com densidades populacionais muito baixas.

Viena, que lidera o ranking pela primeira vez, tem uma população de 1,9 milhões de habitantes, o que é relativamente pequeno em comparação com outras metrópoles.

De fato, cidades de pequeno e médio porte se saem melhor do que seus vizinhos maiores em todo o índice. A resiliência de Manchester em sua recuperação de um ataque terrorista em 2017 e a melhoria da segurança ajudaram a subir para a 35ª posição em 2018, 13 lugares acima de Londres; Boston fica 15 lugares mais alta que Nova York em 42; e melhorias no transporte público e taxas de criminalidade decrescentes em Osaka, no Japão, fizeram com que ela passasse para o 3º lugar, à frente de Tóquio na sétima posição.

Moradores de cidades que não aparecem perto do topo da lista não devem ser desanimados. Das 140 cidades pesquisadas, 66 têm uma pontuação de 80% ou mais, o que significa que há poucos ou nenhum desafio aos padrões de vida.

 

Informações do jornal The Economist.