Por Francisco Campelo – Colunista VemTambém

Você vai fazer um passeio pela história, descobrir curiosidades sobre os reis portugueses e se  encantar com a beleza impressionante desses lugares. Veja só!

 

Palácio de Mafra

Localizado a cerca de 25 quilômetros de Lisboa, o Palácio Nacional de Mafra é, na verdade, uma obra de enormes dimensões, que reúne um palácio, uma igreja e um monumental mosteiro em estilo barroco alemão. A construção, que data do período em que Portugal recebeu mais ouro do Brasil, começou modesta, mas chegou a ter 52 mil trabalhadores envolvidos. Tem uma das mais lindas bibliotecas da Europa, decorada com mármores preciosos, madeiras exóticas e incontáveis obras de arte de grandes mestres.

 

Palácio Nacional da Ajuda

Antigo Palácio Real, é hoje, em grande parte, um museu, estando instalados no restante do edifício a Biblioteca Nacional da Ajuda, o Ministério da Cultura, a Galeria de Pintura do rei D. Luís I e a Direção Geral do Patrimônio Cultural. Com estilo neoclássico dominante, foi palco de banquetes e recepções para o Rei Eduardo VII da Inglaterra, Afonso XIII da Espanha, Guilherme II da Alemanha, o presidente francês Émile Loubet, entre outros chefes de Estado em visita ao país. Assim como no período da monarquia, hoje é utilizado pelo Estado português para cerimônias oficiais.

Palácio Nacional de Queluz

Construído no século XVIII na cidade de Queluz, este palácio é um dos últimos grandes edifícios em estilo barroco rococó erguidos na Europa. Inicialmente foi construído como um recanto de verão para D. Pedro de Bragança, e também por isso é conhecido como “o Versalhes português”, embora seja bem menor que sua referência francesa. Uma das alas do Palácio é hoje reservada para hospedar exclusivamente chefes de Estado estrangeiros em visita a Portugal. Foi neste palácio que D. Pedro I nasceu em 1798 e, depois de voltar do Brasil, morreu no mesmo quarto de seu nascimento, em 1834.

 

Palácio de Bussaco

O Palácio Real de Bussaco fica próximo a Sintra e foi o último legado arquitetônico dos reis de Portugal, erguido como pavilhão real de caça por ordem de D. Carlos I. Abriga atualmente o Palace Hotel de Bussaco, um verdadeiro castelo de conto de fadas, erguido no meio de uma linda floresta de 105 hectares, que oferece uma experiência única de se hospedar num verdadeiro palácio real, considerado, desde 1917, como um dos mais belos, românticos e históricos hotéis do mundo. Com estilo neomanuelino, este palácio é caracterizado pelo estilo super rebuscado, incríveis painéis de azulejo e mobiliário suntuoso.

 

Palácio Nacional da Bolsa

O Palácio Nacional da Bolsa é um lindo edifício de estilo eclético, com influência direta do neoclássico oitocentista, da arquitetura toscana e do neopaladiano inglês, construído em 1842 para abrigar a Associação Comercial da cidade do Porto. Atualmente é um dos edifícios históricos mais visitados da cidade, com destaque para o Salão Árabe com estuques feitos com caracteres arábicos em ouro ocupando todas as paredes e teto da sala. Aliás, é neste salão que são recebidos reis e chefes de Estado que visitam a cidade.

 

Palácio de Monserrate

Construção eclética construída no parque de mesmo nome, o Palácio de Monserrate foi erguido na Serra de Sintra para ser a residência de verão do inglês Sir Francis Cook, o visconde de Monserrate, e inaugurado em 1858. Para sua obra foram necessárias mais de 2 mil pessoas, com 50 delas trabalhando exclusivamente no jardim. Depois de terminadas as obras, os Cook empregaram cerca de 300 pessoas para cuidar da casa, do parque e da família. Desde 1995, a Serra de Sintra e o Parque de Monserrate, onde fica o palácio, foram classificados pela Unesco como Patrimônio Mundial pela Paisagem.

Palácio da Pena

Considerada uma das principais edificações do estilo romântico do século XIX no mundo, o Palácio da Pena foi o primeiro palácio nesse estilo na Europa, tendo sido construído 30 anos antes do famoso Castelo de Neuschwanstein, na Alemanha. Fica no topo da Serra de Sintra, a 500 metros de altitude, oferecendo também uma vista deslumbrante da região. Foi residência de vários reis portugueses e os ambientes do palácio estão recuperados fielmente, como se a corte ainda morasse no local.